24/02/2014

FEVEREIRO - NOVOS LIVROS XV

- “ Nas Asas do Amanhã” – Sarah Sundin
“ Quando o marido morre na guerra do Pacífico, Helen Carlisle oferece-se como voluntária para o esforço de guerra, a fim de ocultar os seus sentimentos. No entanto, manter a aparência de viúva inconsolável de um herói local está a deixar a sua marca. Em breve algo irá ceder.
O tenente Raymond Novak prefere o público ao cockpit. O seu trabalho a treinar pilotos de B-17 permite-lhe ter uma vida pessoal… e dá-lhe uma desculpa conveniente para ignorar o seu maior medo. Quando a bela Helen conquista o seu coração, ele mostra-se decidido a merecê-la e a desposá-la.
Ray e Helen veem-se então forçados a arriscar as suas reputações e as suas vidas; irão eles enfrentar e conquistar os desafios que têm pela frente? E poderá o seu jovem amor sobreviver até ao regresso da paz?”

-“ Debaixo de Algum Céu” – Nuno Camarneiro – Prémio LEYA 2012
“ Num prédio encostado à praia, homens, mulheres e crianças – vizinhos que se cruzam mas se desconhecem – andam à procura do que lhes falta: um pouco de paz, de música, de calor, de um deus que lhes sirva. Todas as janelas estão viradas para dentro e até o vento parece soprar em quem lá vive. Há uma viúva sozinha com um gato, um homem que se esconde a inventar futuros, o bebé que testa os pais desavindos, o reformado que constrói loucuras na cave, uma família quase normal, um padre com uma doença de fé, o apartamento vazio cheio dos que o deixaram. O elevador sobe cansado, a menina chora e os canos estrebucham. É esse o som dos dias, porque não há maneira de o medo se fazer ouvir. A semana em que decorre esta história é bruscamente interrompida por uma tempestade que deixa o prédio sem luz e suspende as vidas das personagens – como uma bolha no tempo que permite pensar, rever o passado, perdoar, reagir, ser também mais vizinho. Entre o fim de um ano e o começo de outro, tudo pode realmente acontecer – e, pelo meio, nasce Cristo e salva-se um homem.
Embora numa cidade de província, e à beira-mar, este prédio fica mesmo ao virar da esquina, talvez o habitemos e não o saibamos.”

- “ O Filósofo e o Lobo” – Mark Rowlands
“ No dia em que Mark Rowlands comprou um lobo, teve a sua primeira grande lição sobre a espécie: os lobos não gostam de ficar sozinhos. Ao regressar a casa, encontrou-a completamente destruída: dos forros do sofá, às tubagens do ar condicionado, já nada restava inteiro. Naquele dia, Mark fez um pacto com Brenin: nunca mais o abandonaria. Começava assim a estranha amizade entre um professor de filosofia, misógino e alcoólico, e o seu imponente lobo de 70 quilos.
Não mais se separaram. Iam juntos para todo o lado: aos jogos de râguebi, às festas na universidade, e até às aulas – onde Brenin ocasionalmente uivava, ao ouvir dissertações chatas sobre filósofos herméticos.

O Filósofa e o Lobo é a história real de uma amizade de doze anos entre um homem e um lobo. É um ensaio sobre o que nos separa (e aproxima) dos animais, é um tratado sobre a lealdade, o companheirismo e o amor – alicerçado nas ideias de pensadores como Nietzsche ou Albert Camus. Mas é também, acima de tudo, uma narrativa comovedora, pungente, sobre o que significa ser-se humano – e sobre o que podemos aprender com os lobos.”
Enviar um comentário